fbpx
Connect with us

Mundo

A dramatização de 1938 que chocou os EUA: a invasão alienígena que nunca aconteceu.

Publicado

em

invasão marciana, ataque de Marte, ataque alienígena
Em 1938, a 'Guerra dos Mundos' de Orson Welles demonstrou o poder do rádio como meio de comunicação — Foto: Getty Images/BBC Orson Welles no microfone ensaiando um de seus programas de rádio na CBS — Foto: Getty Images/BBC - Todos os direitos: G1

Há 85 anos, histeria coletiva nos EUA devido à transmissão realista de “A Guerra dos Mundos” por Orson Welles. Diretor comenta em entrevista da BBC.

Completando 85 anos no último dia 30 de outubro, um dos incidentes mais citados na cultura popular é a dramatização radiofônica da invasão alienígena em 1938, por Orson Welles (1915-1985). O programa foi tão realista que teria despertado pânico generalizado nos Estados Unidos, deixando uma marca indelével na memória coletiva.

A história da histeria coletiva causada pela dramatização do ataque alienígena ficou profundamente enraizada no folclore dos meios de comunicação. No entanto, nos últimos anos, historiadores como o professor W. Joseph Campbell, da Universidade Americana em Washington D.C., defenderam que o suposto pânico sempre foi exagerado e que a maioria dos ouvintes compreendeu que o programa era uma obra de ficção. Ainda assim, o impacto cultural do incidente perdura até os dias de hoje.

A polêmica transmissão de Orson Welles sobre a invasão marciana

A ideia de uma nação mergulhada na histeria foi impulsionada ativamente pelos jornais da época.

Em 1938, o rádio era um meio de comunicação emergente, mas que já concorria pelas notícias com a imprensa escrita. Por isso, os jornais estavam ávidos para retratar o rádio como um meio irresponsável, que não merecia confiança.

E o próprio Orson Welles promoveu o mito, repetindo a história incontáveis vezes em entrevistas nos anos que se seguiram.

Embora não se saiba ao certo até que ponto realmente chegou o pânico causado pela produção de Orson Welles, alguns fatos permanecem – principalmente, que o programa demonstrou o poder e o potencial do rádio como meio de comunicação.

Welles era diretor e astro da série de radioteatro Mercury Theatre on the Air, transmitida pela rede americana CBS.

Na noite de 30 de outubro de 1938, pouco antes do Dia das Bruxas, ele estava realizando os últimos ensaios do seu novo e inovador programa.

Welles tinha apenas 23 anos de idade e muitos o consideravam um prodígio.

Ele estava trabalhando no seu projeto mais ambicioso até então: uma atualização do romance de ficção científica A Guerra dos Mundos, publicado em 1898 pelo escritor britânico H. G. Wells (1866-1946).

Sua ideia era dar vida à história de Wells, ambientando ela nos dias atuais, e criando um senso de urgência e medo.

Ele mudou o local da Inglaterra para Nova Jersey, nos Estados Unidos, e a história foi reescrita como uma série de boletins jornalísticos realistas, informando sobre uma invasão alienígena incontrolável pelo planeta Marte.

Tudo soava como uma transmissão ao vivo, borrando os limites entre realidade e ficção.

‘Nós fizemos aquilo com muito cuidado e reproduzimos exatamente o que teria acontecido. Pensando em como tornar tudo mais eficaz. Mas não tínhamos de ideia do quanto seria eficaz’, contou Welles em 1955, em um episódio de uma série da BBC intitulada Orson Welles’s Sketch Book (‘O caderno de rascunhos de Orson Welles’, em tradução livre).

As circunstâncias forneceram o pano de fundo perfeito para a produção radiofônica.

Naquele tempo, o rádio vinha substituindo rapidamente os jornais como a fonte das notícias do dia para a maioria dos americanos.

E havia também a sensação geral de ansiedade com a possibilidade de mais um conflito na Europa.

À medida que se aceleravam os eventos que levariam o mundo para a Segunda Guerra Mundial, o público americano ficava cada vez mais acostumado aos programas de rádio sendo interrompidos com notícias importantes.

Às 20 horas, pelo horário da costa leste dos Estados Unidos, Welles começou o programa apresentando a dramatização e esclarecendo que se tratava de uma obra de ficção.

Mas os ouvintes que sintonizaram o programa mais tarde perderam esse aviso.

E alguns que ouviram, na verdade, não prestaram atenção no que ele estava dizendo ou simplesmente esqueceram à medida que a dramatização se desenvolvia.

Marte ataca!

O que se seguiu foi um programa musical regular, conhecido dos ouvintes, interrompido por uma série de boletins de notícias extraordinárias simuladas e cada vez mais frenéticas.

Os atores interpretavam repórteres e funcionários do governo ofegantes, descrevendo a chegada dos invasores alienígenas. As descrições eram combinadas com efeitos sonoros assustadoramente realistas dos raios de calor mortais dos extraterrestres – e da destruição de cidades inteiras.

Os efeitos foram poderosos e aterrorizaram os ouvintes.

O estilo de documentário e o diálogo natural da dramatização fizeram com que alguns chegassem a confundir o programa com uma transmissão jornalística de verdade.

Os jornais relataram posteriormente que ouvintes ansiosos, acreditando que o fim do mundo era iminente, tentaram fugir de suas casas, enquanto outros juntavam armas e se preparavam para se defender contra os alienígenas.

As linhas telefônicas ficaram congestionadas com ouvintes tentando ligar para a polícia e jornais em busca de informações ou de confirmações.

O fluxo de chamadas pode ter convencido muitos jornalistas de que o programa estaria causando um pânico nacional.

A polícia logo apareceu no estúdio da CBS onde acontecia a dramatização e começou uma discussão entre policiais e executivos da rádio, que tentavam desesperadamente evitar que eles invadissem e interrompessem o programa.

Welles estava em meio à transmissão da peça e só percebeu seus efeitos ‘porque, na metade do programa, enquanto dávamos seguimento ao roteiro à nossa frente, nós víamos que, na sala de controle, havia muitos policiais, cada vez mais. Eu não fazia ideia que havia me tornado, de repente, uma espécie de evento nacional’.

‘Imediatamente depois que nosso programa saiu do ar, Walter Winchell [jornalista americano, 1897-1972] estava em uma rede concorrente e ficou sabendo que nossas linhas telefônicas estavam congestionadas’, contou Welles.

‘No seu programa de comentários sobre as notícias, ele disse: ‘Sr. e Sra. América, não há razão para alarme. A América não caiu. Repito, a América não caiu’.’

Nos dias que se seguiram, Orson Welles e sua equipe enfrentaram fortes reações negativas da imprensa e do governo.

O programa dominou as manchetes dos jornais do dia seguinte e muitos jornalistas extrapolaram os relatos individuais par…

Fonte: G1 – Mundo

"Notícias 24h" é a assinatura que garante a integridade e a vigilância incansável do portal BR HOJE, um bastião do jornalismo imparcial e de qualidade desde 2023. Encarnando o espírito de um Brasil autêntico e multifacetado, "Notícias 24h" entrega reportagens exclusivas e análises profundas, comprometendo-se com a verdade sem concessões. Através de uma cobertura 24 horas por dia, esse autor simbólico tornou-se sinônimo de confiabilidade em um mundo saturado de informações duvidosas, assegurando que os leitores do brhoje.com.br tenham acesso a um conteúdo que é tão corajoso e vibrante quanto a nação que busca representar.

Continue Reading
Comentários