fbpx
Connect with us

Meio Ambiente

ChocoAmazônia: um projeto inovador para levar fábricas de chocolate à região amazônica

Publicado

em

Amazônia, região amazônica, floresta amazônica
Laboratório Criativo da Amazônia (LCA), do Instituto Amazônia 4.0, testa viabilidade de novo modelo de negócio para regiões amazônicas com grande fragilidade social. — Foto: Sônia Soares/Divulgação Princípio de acessibilidade norteou o surgimento do laboratório, que busca adaptar o processo de produção e venda de chocolates à realidade Amazônica, marcada pelo isolamento e baixa escolaridade. — Foto: Sônia Soares/Divulgação A ideia não é apenas fazer um produto de valor agregado, mas também incorporar dimensões culturais a esse produto. Desta forma, as receitas de chocolate produzidas usam ingredientes e sabores da região, como coco, cumaru, castanha do pará e açaí. — Foto: Sônia Soares/Divulgação Proposta é que comunidades possam trabalhar com matérias primas que já fazem parte da sua economia local, e não que busquem matéria-prima do entorno, relegando outras comunidades à função exclusiva do fornecimento. — Foto: Sônia Soares/Divulgação Na imagem, duas das três estruturas geodésicas que compõem uma fábrica, uma sala de aula e uma casa de serviços, onde funciona um sistema de tratamento de água e resíduos e a produção de energia fotovoltaica, fazendo com que a infraestrutura seja móvel e autossuficiente. — Foto: Sônia Soares/Divulgação Tecnologia e automação permitem que padrões de qualidade sejam alcançados e mantidos. — Foto: Sônia Soares/Divulgação Fundo Amazônia recebeu até agora só 3% das novas doações anunciadas este ano - Todos os direitos: G1

Projeto capacita comunidades tradicionais para agregar valor a produtos da floresta. Objetivo é instaurar fábricas acessíveis e de baixo custo. Produção de chocolate fino e polpa de cupuaçu.

Em uma comunidade remota no coração da Amazônia, o Laboratório Criativo da Amazônia (LCA) está promovendo uma iniciativa única: a produção de chocolates finos em um campo cercado de mata, utilizando três domos geodésicos alimentados por energia solar. O projeto, operado pelo Instituto Amazônia 4.0, tem como objetivo capacitar comunidades tradicionais na região para a produção sustentável de derivados do cacau e do cupuaçu, testando um novo modelo de negócio baseado em princípios sustentáveis. Esta biofábrica experimental pretende ser um exemplo de responsabilidade ambiental e econômica na Amazônia.

Localizado no coração da floresta amazônica, o Laboratório Criativo da Amazônia (LCA) é um projeto inovador que busca promover a produção sustentável de chocolates finos em uma pequena comunidade extrativista. Operado pelo Instituto Amazônia 4.0, o LCA capacita as comunidades locais para a produção de derivados do cacau e do cupuaçu, utilizando princípios sustentáveis e testando a viabilidade de um novo modelo de negócio na região amazônica. Este protótipo de biofábrica é uma iniciativa promissora para o desenvolvimento econômico e ambiental da Amazônia, mostrando que é possível conciliar a preservação da floresta com atividades econômicas sustentáveis.

Projeto inovador busca impulsionar a Amazônia

A região amazônica é conhecida pela sua imensa riqueza natural, mas as comunidades tradicionais que lá habitam frequentemente se encontram em situações de extrema pobreza. A ideia do projeto é justamente aproveitar a cultura de não desmatamento para impulsionar as comunidades, oferecendo-lhes a chance de melhorar sua qualidade de vida enquanto elaboram produtos que tenham mais valor agregado.

Nas palavras do diretor executivo Ismael Nobre, a Amazônia ainda é uma região de condições quase de guerra em termos de flagelo humano, mas o projeto surge como uma oportunidade para mudar esse cenário.

Experimentos em comunidades amazônicas

A primeira parada do laboratório de produção foi na reserva extrativista Tapajós Arapiuns, onde podem ser encontrados imensos potenciais na produção de polpa de cupuaçu e cacau. A proposta é experimentar o laboratório em comunidades diversas, como quilombolas, ribeirinhos e moradores de reservas extrativistas. O objetivo é oferecer para essas comunidades a oportunidade de participar de um processo de fabricação de produtos com alto valor agregado.

Da torra do cacau à produção de chocolate

A produção de cacau para chocolate fino ainda é uma realidade distante em muitos locais da Amazônia. Entretanto, a análise mercadológica revelou que o cacau e o cupuaçu têm um grande potencial para gerar retorno econômico se processados de maneira adequada.

Durante o curso, os participantes puderam aprender a torra do cacau e a fabricação de chocolate e cupulate, recebendo também orientações sobre a comercialização e gestão de negócios. A ideia é que a produção desse tipo de produto gere um retorno muito maior para as comunidades, em comparação com a venda de matéria-prima como commodity.

Tecnologia e padronização de qualidade

A atividade industrial na Amazônia enfrenta desafios únicos, mas a tecnologia surge como uma grande aliada para superar essas barreiras. Com recursos como energia solar e sistemas de automação, as comunidades que participam do projeto poderão enfrentar os desafios da produção em pequena escala e, ao mesmo tempo, garantir a qualidade e padronização dos produtos.

O futuro das biofábricas

O Laboratório Criativo não se trata apenas de um projeto isolado, mas sim de um passo inicial para introduzir biofábricas 4.0 na região. A proposta é que essas fábricas sejam autossuficientes e de fácil montagem, viabilizando assim a produção em larga escala de produtos com alto valor agregado. Por meio do empreendedorismo cooperativado associativista, a ideia é que as comunidades tradicionais se apropriem desse modelo econômico de maneira sustentável.

Segundo Ismael, o investimento inicial para as biofábricas pode contar com apoio de capital privado, filantropia e recursos governamentais, garantindo que se tornem viáveis e lucrativas a longo prazo.

Descentralização e acesso ao mercado

A questão do acesso ao mercado é um desafio para as pequenas fábricas, uma vez que a produção em pequena escala dificulta o fornecimento para grandes redes. A solução identificada no projeto é unir as produções de diversas comunidades, possibilitando a produção em rede e o acesso a mercados mais amplos. Com o auxílio da tecnologia, essa rede torna-se possível, representando uma grande inovação para a região da Amazônia.

Fonte: G1 – Meio Ambiente

"Notícias 24h" é a assinatura que garante a integridade e a vigilância incansável do portal BR HOJE, um bastião do jornalismo imparcial e de qualidade desde 2023. Encarnando o espírito de um Brasil autêntico e multifacetado, "Notícias 24h" entrega reportagens exclusivas e análises profundas, comprometendo-se com a verdade sem concessões. Através de uma cobertura 24 horas por dia, esse autor simbólico tornou-se sinônimo de confiabilidade em um mundo saturado de informações duvidosas, assegurando que os leitores do brhoje.com.br tenham acesso a um conteúdo que é tão corajoso e vibrante quanto a nação que busca representar.

Continue Reading
Comentários