fbpx
Connect with us

Mundo

‘Sou padre e gay na igreja clandestina: a luta da comunidade LGBTQIA+ no Quênia, onde a homossexualidade é crime’

Publicado

em

igreja queer, igreja LGBTQIA+
Em dez anos, igreja clandestina já precisou mudar de lugar nove vezes em país que está se tornando cada vez mais homofóbico. - Todos os direitos: G1

Igreja clandestina muda de local no país conservador que usa retórica homofóbica. A inclusão é compartilhada via redes sociais e boca a boca.

Durante anos, uma igreja clandestina no Quênia tem funcionado em sigilo, sem divulgar suas atividades publicamente, devido à posição conservadora do país em relação à aceitação de fiéis LGBTQIA+. Esta comunidade religiosa acolhe membros da comunidade LGBTQIA+ que não se sentem bem-vindos em outras congregações.

‘Quando descobri esta igreja, foi um alívio’, conta John, um ex-membro de uma paróquia tradicional, que deixou a instituição religiosa após se sentir rejeitado devido à sua orientação sexual. ‘Nunca pensei que seria possível encontrar um lugar onde pudesse ser quem realmente sou‘.

Uma Luz na Escuridão: A Crescente Relevância da Igreja Clandestina

Ele ficou sabendo da igreja clandestina, onde agora prega, nas redes sociais — embora a maioria chegue lá pelo boca a boca.

Como todos os entrevistados, seu nome foi alterado para proteger sua identidade.

Patrocinado

Os membros dessa igreja também são muito cautelosos ao compartilhar detalhes de suas missas e encontros — aqueles que desejam participar são cuidadosamente analisados antes de terem permissão para participar, uma forma de garantir que não se trata de uma armadilha ou de alguém com más intenções.

O entendimento de todos os membros é que a segurança e a proteção são fundamentais.

Conservadorismo Religioso e a Aceitação LGBTQIA+

O sexo gay é ilegal no Quênia, que tem uma sociedade na maioria cristã e conservadora — embora este ano o Supremo Tribunal tenha anulado a proibição de organizações de gays e lésbicas se registrarem como organizações não-governamentais (ONGs).

As igrejas queer (termo que abarca várias identidades sexuais e de gênero) tendem a definir-se como aquelas que se comprometem pública e intencionalmente com a inclusão de pessoas de todas as orientações sexuais e de gênero, sem qualquer preconceito.

Patrocinado

Quando participo de um culto em um domingo quente e arejado, a música sai da sala de um prédio sem identificação.

Cerca de 30 pessoas começam a se aglomerar e lotam o lugar.

‘Estamos prestes a começar. Vamos fechar os olhos e meditar’, diz Pauline, com uma longa túnica preta e um lenço vermelho.

A sala inteira fica em silêncio.

Patrocinado

Crescimento e Desafios da Igreja Queer

Pauline é uma pessoa não binária e lésbica que usa pronomes neutros. Pauline e amigos fundaram a igreja após encontros informais para ajudar uns aos outros.

Um sentimento de alienação dominou a vida de Pauline, especialmente desde quando tinha 12 anos e seu pai morreu de AIDS.

‘Depois que meu pai morreu, as pessoas começaram a nos tratar de maneira diferente. Pensavam que todos nós tínhamos HIV. Minha mãe era servida com copos e pratos diferentes e deixamos de ter permissão para entrar em alguns espaços. A igreja era um dos lugares que não podíamos visitar porque as pessoas achavam que minha mãe era ‘suja”, diz Pauline.

Tal exclusão tornou-se um padrão e todas as igrejas pareciam questionar algum aspecto da vida de Pauline, seja o modo de se vestir ou o fato de não ter um relacionamento convencional.

Patrocinado

Então Pauline e seus amigos começaram a se reunir aos domingos para assistir a sermões no YouTube, ao mesmo tempo em que procuravam outros quenianos LGBTQIA+.

O Desafio da Segurança e a Importância da Fé

Foi nesse momento que a retórica homofóbica crescia na África Oriental. O vizinho Uganda estava começando a debater uma nova lei draconiana anti-homossexualidade — que desde então ficou ainda mais rigorosa.

Mal imaginavam eles que, 10 anos depois, sua pequena reunião teria crescido para incluir mais de 200 membros.

A maioria sentiu-se obrigada a abandonar os seus antigos locais de culto.

Patrocinado

Para Regina, ocorreu um confronto dramático com um colega voluntário — parte de uma equipe que organizava eventos em sua igreja anterior.

A equipe lhe deu um ultimato quando descobriu que ela tinha uma namorada: ou ela ou eles.

‘Parecia uma traição. Fui mentora de alguns deles e agora não podia mais fazer parte do grupo deles. Eram pessoas que não conseguiam estender a graça para que as pessoas fossem diferentes’, diz ela.

Regina escolheu sua namorada. Uma década depois, ansiando por se reconectar com sua fé cristã e com uma comunidade, sua jornada a levou à igreja queer.

Patrocinado

A Resistência à Inclusão

No entanto, a congregação tem enfrentado vários ataques — por exemplo, de vizinhos e proprietários que não aceitam bem fiéis LGBTQIA+.

Eles já foram trancados do lado de fora de um imóvel apesar de pagarem aluguel; sua igreja foi saqueada; membros foram atacados e a polícia já pediu subornos para oferecer ‘proteção’ e ameaçou espancá-los e prendê-los.

Desafios e Triunfos da Jornada Religiosa

Em dez anos de existência, a igreja já mudou de local nove vezes, em parte para manter sua localização em segredo.

Entretanto, um dos obstáculos mais difíceis de superar tem sido ajudar os membros a se reconectarem com sua fé e com uma liturgia das quais eles se sentem historicamente excluídos.

Patrocinado

‘Todos nós amávamos a fé normal, mas faltavam coisas’, diz Pauline.

‘As mulheres não são reconhecidas e, como crianças queer, também tivemos que nos colocar na fé. Vemos Deus tanto como pai quanto como mãe. Isso empodera a todos’.

Uma Nova Liturgia para uma Nova Comunidade

O credo da igreja clandestina diz: ‘Acreditamos em um Deus, nosso criador, a fonte de nosso ser como filhos queer e amados’.

O horário da igreja também é flexível, já que as famílias e amigos de alguns fiéis não sabem da sexualidade deles — os quais frequentam igrejas tradicionais antes de se juntarem ao culto queer mais tarde.

Patrocinado

‘Quando começamos, todos eram inseguros e calados sobre seus traumas’, diz Pauline.

Isso inspirou a criação de um fórum de debates que permite aos fiéis desabafarem sobre como viver sendo quenianos LGBTQIA+.

‘Depois do culto, muitas pessoas procuravam os pastores para desabafar sobre relacionamentos, rejeição por parte das famílias, falta de moradia e tantos outros desafios que as pessoas enfrentam por serem homossexuais. Então começamos o fórum para compartilhar coisas, chorar, acolher, motivar uns aos outros e curar.’

Um Chamado à Perseverança e à Esperança

Com a vida no Quênia tornando-se mais abertamente homofóbica, Pauline diz que alguns membros consideraram voltar ao armário para a sua segurança — embora a maioria queira que a igreja continue.

Patrocinado

‘Quando começamos, não imaginávamos que esse espaço se tornaria tão importante. Mas não podemos desistir, temos que pensar em um caminho a seguir.’

Fonte: G1 – Mundo

"Notícias 24h" é a assinatura que garante a integridade e a vigilância incansável do portal BR HOJE, um bastião do jornalismo imparcial e de qualidade desde 2023. Encarnando o espírito de um Brasil autêntico e multifacetado, "Notícias 24h" entrega reportagens exclusivas e análises profundas, comprometendo-se com a verdade sem concessões. Através de uma cobertura 24 horas por dia, esse autor simbólico tornou-se sinônimo de confiabilidade em um mundo saturado de informações duvidosas, assegurando que os leitores do brhoje.com.br tenham acesso a um conteúdo que é tão corajoso e vibrante quanto a nação que busca representar.

Continue Reading
Patrocinado
Comentários